EnglishPortugueseSpanish

Dicotomia direita e esquerda, sua origem e significado Político, A (Serpa, 2008)

SERPA, Marcelo. A Dicotomia Direita e Esquerda: sua origem e significado político
– uma abordagem introdutória (notas de aula da disciplina Comunicação Política e Eleitoral).
Rio de Janeiro: ECO/UFRJ, 2008 – atual. 

PARTE I – ORIGEM
1.

Em política Direita e Esquerda são empregadas num sentido específico, diferente do seu sentido próprio,  por analogia ou semelhança, como metáforas espaciais.

Ver:
Metáfora – Dicionário Aurélio / Dicionário Michaelis
LAPONCE. Left and Right. The Topography of Political Perceptions. Toronto: University of Toronto, 1981.
2.

A Política, entendida como arte ou ciência do governo das nações, ao abordar a relação entre os elementos que estão no poder (governo) e os demais cidadãos restantes, necessita classificar os diversos pensamentos e tendências políticas do seu universo, de modo a descrevê-lo e organizá-lo.

Ver:
Política – Dicionário Aurélio
3.

Tal busca classificatória é uma prática recorrente, antiga e universal, que muitas vezes recai em generalizações de estruturas de dois conhecidas como dicotomia. Isto se dá pela facilidade com que os nossos mapas cognitivos se organizam em estruturas duais. É difícil pensar o plural sem o reduzir a uma dicotomia. Na melhor das hipóteses, conseguimos passar do número 2 ao número 3. Por isso é também comum a referência ao centro (nem esquerda, nem direita), ou então as múltiplas tentativas de formulação de vias médias, ou de terceiras vias. Dicotomia é uma classificação fundamental pela divisão em dois ramos, dois elementos ou duas partes, em geral contraditórias, como, por exemplo, o claro e o escuro, o bem e o mal, o alto e o baixo etc. Não é incomum que uma situação seja mostrada com dois pontos de vista alternativos colocados como se fossem únicos, não sendo possível considerar outras opções, ou adotar opções escolhidas juntas ou em paralelo, caracterizando-se uma falsa dicotomia.

Ver:
Dicotomia – Dicionário Aurélio / Dicionário Michaelis
ROSA, João Cardoso. Direita / Esquerda. Apontamentos. Consultado em http://ifl.pt/file/uploads/daed0e3e573eebece8c1a88cc67f5109.pdf
4.

A dicotomia Direita Esquerda não é originária da Política, mas está bastante enraizada na cultura ocidental. Na Bíblia, o Filho está sentado à direita do Pai e o apóstolo preferido senta-se à direita do Senhor. Também, a mão direita tem reservadas para si as tarefas nobres, enquanto a esquerda se ocupa dos trabalhos impuros (na Índia não se leva a mão esquerda à mesa, não se toca alguém com a mão esquerda – a mão esquerda é usada para a higiene pessoal, a direita usada para comer – come-se com a mão, em folhas de bananeira, sem utilização de talheres).

Ver:
ROSA, João Cardoso. Direita / Esquerda. Apontamentos. Consultado em http://ifl.pt/file/uploads/daed0e3e573eebece8c1a88cc67f5109.pdf
5.

As línguas europeias refletem o simbolismo positivo da direita e a carga negativa da esquerda. Em inglês, a direita é “right” (certa), o que leva a pensar que a “left”, a esquerda, é “wrong” (errada). Em francês, a esquerda é também “gauche”(desastrada) enquanto a direita é “droite” (íntegra). Em italiano, a esquerda é “sinistra” e só a direita é “destra”.

Ver:
ROSA, João Cardoso. Direita / Esquerda. Apontamentos. Consultado em http://ifl.pt/file/uploads/daed0e3e573eebece8c1a88cc67f5109.pdf
6.

Nos regimes antigos a distinção política mais relevante era espacial, topográfica, situados tanto no perto/ longe quanto no alto/baixo.

Na Revolução Francesa (1789), a França tinha como regime vigente a Monarquia Absolutista (regime em que o Rei era detentor de um Direito Divino). Com o agravamento do déficit financeiro e a crise, o clima de revoltas levou à Convocação dos Estados Gerais (três Estados: Nobreza, Clero e Povo). Como as decisões eram decididas por Voto por Estado (e não por cabeças), o Primeiro e Segundo Estados sempre venciam as votações.

Nos Estados Gerais franceses (1789), o rei postava-se no alto, sobre uma plataforma e os demais, membros da família real, ministros, nobreza, clero e, por fim, o povo, estavam abaixo do monarca. A distância também contava, de modo que o povo estava mais longe do rei do que o clero e a nobreza, os ministros e a família real estão mais perto do que os representantes das duas ordens. Apesar de tudo, também é certo que era sempre preferível estar à direita do rei do que à sua esquerda. A rainha e as princesas estavam à esquerda, mas os príncipes, os sucessores, estavam à direita. O clero também estava à direita, enquanto que a nobreza se contentava em permanecer à esquerda. O povo estava de um lado e do outro, mas muito mais longe. A distância, depois da altura, era ainda mais marcante do que a direita e a esquerda (ROSA, apud LAPONCE, 1981, p.47 e ss.).

Ver:
ROSA, João Cardoso. Direita / Esquerda. Apontamentos. Consultado em http://ifl.pt/file/uploads/daed0e3e573eebece8c1a88cc67f5109.pdf
PIEDADE, R. Direita e esquerda: origem e sentido da dicotomia. Infográfico. Consultado em
https://prezi.com/k1sqae_emuxc/direita-e-esquerda-origem-da-dictomia/
7.

A classificação do pensamento político de forma lateralizada tem sua origem conhecida na Assembleia Nacional Constituinte Francesa, de 1789, onde os deputados favoráveis ao veto legislativo do rei sentavam-se à direita e os que eram contra sentavam-se à esquerda. Vulgariza-se a partir do Século XIX e perdura até hoje, não só no país originário como em todas as outras democracias existentes.

Ver:
ROSA, João Cardoso. Direita / Esquerda. Apontamentos. Consultado em http://ifl.pt/file/uploads/daed0e3e573eebece8c1a88cc67f5109.pdf
 
PARTE II – SIGNIFICADOS
8.
Contrastes
Políticos – Hierárquica / Igualitária
Econômicos – Ricos / Pobres
Religiosas – Religião / Livre pensamento
Tempo – Continuidade / Descontinuidade
Ver:
LAPONCE. Left and Right. The Topography of Political Perceptions. Toronto: University of Toronto, 1981.
PIEDADE, R. Direita e esquerda: origem e sentido da dicotomia. Infográfico. Consultado em
https://prezi.com/k1sqae_emuxc/direita-e-esquerda-origem-da-dictomia/
9.
Estereótipos, valores e atributos comumente atribuídos ao pensamento da
ESQUERDA
–       Protecionismo, Nacionalização, progressismo, Igualitarismo
–       Estado social expansivo
–       Aceitam uma economia de mercado
–       Rejeitam uma sociedade de mercado
–       Liberdades pessoais, Personalismo, Liberalismo, Igualdade
–       Razão e Liberdade, Bem-estar social
–       Minimização das diferenças sociais
–       Otimismo antropológico, utopismo, racionalismo
–       Socialismo, Democratismo, Economicismo, Internacionalismo: solidariedade e defesa de maior igualdade entre raças, nações, classes sociais e gêneros
–       Coletivismo, Secularismo e de defesa das classes baixas
DIREITA
–       Livre economia;
–       Defesa do patriotismo
–       Apoio à propriedade e investimentos privados
–       Preza a ordem
–       Não à discussão de ideologias
–       Conservadorismo: tradicional
–       Autoridade, segurança
–       Totalitarismo, ditadura, estado absoluto, promoçãoo das elites
–       Estabelecimento das hierarquias
–       Eficácia e competitividade
–       Incapacidade de mudanças
–       Anti-utopismo, Organicismo, Elitismo
–       Propriedade e anti-economicismo
–       Nacionalismo
–       Individualismo ou defesa das classes mais altas
REFERÊNCIAS
CAZOLLA, Franco. O que resta da esquerda. Lisboa: Cavalo de Ferro, 2011
http://www.cavalodeferro.com/upload/Pdf816.pdf

BOBBIO, N. Direita e Esquerda.
http://pt.scribd.com/doc/86974913/Direita-e-Esquerda-Norberto-Bobbio#scribd
GLOBONEWS. Direita e esquerda na política nacional
Programa Painel – GloboNews 28/12/2013 https://www.youtube.com/watch?v=lwEUK8_E60k
GALVÃO, Sonia. Geração de 60: direita e esquerda – ensaio de reabilitação.
http://geracaode60.blogspot.com.br/2008/05/direita-e-esquerda-ensaio-de-reabilitao.html

ROSAS, João Cardoso. Direita / Esquerda. 26/01/2006 In: http://invisiblehand.blogs.sapo.pt/17562.html
ROSAS, João Cardoso. Direita / Esquerda. In: http://ifl.pt/file/uploads/daed0e3e573eebece8c1a88cc67f5109.pdf
WIKIPÉDIA. Esquerda e direita (política)
http://pt.wikipedia.org/wiki/Esquerda_e_direita_%28pol%C3%ADtica%29#cite_note-Knapp-14

Arte SERPA, Marcelo H. N. Propaganda e interdisciplinaridade. V. Pós defesa. Rio de Janeiro: UFRJ, 2001. 179 p. Dissertação (Mestrado) ANEXO 2
Read More

Propaganda e interdisciplinaridadeConclusões SERPA, Marcelo H. N. Propaganda e interdisciplinaridade. V. Pós defesa. Rio de Janeiro: UFRJ, 2001. 179 p. Dissertação
Read More

Anúncio Notícia de Produto / Hopkins    Estudo de Caso SERPA, Marcelo H. N. Propaganda e interdisciplinaridade. V. Pós defesa. Rio de Janeiro:
Read More

Ciência da Propaganda SERPA, Marcelo H. N. Propaganda e interdisciplinaridade. V. Pós defesa. Rio de Janeiro: UFRJ, 2001. 179 p. Dissertação
Read More

Propaganda e Hopkins SERPA, Marcelo H. N. Propaganda e interdisciplinaridade. V. Pós defesa. Rio de Janeiro: UFRJ, 2001. 179 p. Dissertação
Read More

Propaganda e ética SERPA, Marcelo H. N. Propaganda e interdisciplinaridade. V. Pós defesa. Rio de Janeiro: UFRJ, 2001. 179 p. Dissertação
Read More

Propaganda e arte SERPA, Marcelo H. N. Propaganda e interdisciplinaridade. V. Pós defesa. Rio de Janeiro: UFRJ, 2001. 179 p. Dissertação
Read More

Propaganda, ciência e técnica SERPA, Marcelo H. N. Propaganda e interdisciplinaridade. V. Pós defesa. Rio de Janeiro: UFRJ, 2001. 179 p.
Read More

Propaganda e sucesso SERPA, Marcelo H. N. Propaganda e interdisciplinaridade. V. Pós defesa. Rio de Janeiro: UFRJ, 2001. 179 p. Dissertação
Read More

Propaganda e interdisciplinaridade SERPA, Marcelo H. N. Propaganda e interdisciplinaridade. V. Pós defesa. Rio de Janeiro: UFRJ, 2001. 179 p. Dissertação
Read More

Propaganda e psicologia SERPA, Marcelo H. N. Propaganda e interdisciplinaridade. V. Pós defesa. Rio de Janeiro: UFRJ, 2001. 179 p. Dissertação
Read More

Consumidor SERPA, Marcelo H. N. Propaganda e interdisciplinaridade. V. Pós defesa. Rio de Janeiro: UFRJ, 2001. 179 p. Dissertação (Mestrado) p. 33 No
Read More

Produto SERPA, Marcelo H. N. Propaganda e interdisciplinaridade. V. Pós defesa. Rio de Janeiro: UFRJ, 2001. 179 p. Dissertação (Mestrado) p. 32 [...]
Read More

Propaganda, Processo da. SERPA, Marcelo H. N. Propaganda e interdisciplinaridade. V. Pós defesa. Rio de Janeiro: UFRJ, 2001. 179 p. Dissertação
Read More

Publicitário SERPA, Marcelo H. N. Propaganda e interdisciplinaridade. V. Pós defesa. Rio de Janeiro: UFRJ, 2001. 179 p. Dissertação (Mestrado) p. 31 [...]
Read More

Propaganda – Função de Produção SERPA, Marcelo H. N. Propaganda e interdisciplinaridade. V. Pós defesa. Rio de Janeiro: UFRJ, 2001. 179
Read More

Propaganda – Ótica Mercadológica SERPA, Marcelo H. N. Propaganda e interdisciplinaridade. V. Pós defesa. Rio de Janeiro: UFRJ, 2001. 179 p.
Read More

Consumo SERPA, Marcelo H. N. Propaganda e interdisciplinaridade. V. Pós defesa. Rio de Janeiro: UFRJ, 2001. 179 p. Dissertação (Mestrado) P. 26 “O
Read More

Propaganda no Brasil SERPA, Marcelo H. N. Propaganda e interdisciplinaridade. V. Pós defesa. Rio de Janeiro: UFRJ, 2001. 179 p. Dissertação
Read More

Propaganda – religiosa, política e de produtos SERPA, Marcelo H. N. Propaganda e interdisciplinaridade. V. Pós defesa. Rio de Janeiro: UFRJ,
Read More

Increva-se

Pesquisa

Professor Marcelo Serpa
Escola de Comunicação da UFRJ
Campus Praia Vermelha
Palácio Universitário

Tel.: +55 21 98275-5555
E-Mail: marcelo.serpa@eco.ufrj.br
                        serpa.br@gmail.com

Como chegar à

© 1997-2020 Marcelo Serpa - MS Comunicação. Todos os direitos reservados

Developed by D4W