EnglishPortugueseSpanish

Comunicação Política Eleitoral – ECA482 (2015 1)

ESCOLA DE COMUNICAÇÃO – ECO / UFRJ
Comunicação Social – Disciplina Complementar


ECA482 – COMUNICAÇÃO POLÍTICA ELEITORAL (30 h)
Segundas-feiras, das 9h20 às 11h00
SALA:
126 (Palácio Universitário)
PROFESSOR:
Marcelo Serpa


EMENTA:
Estudo da aplicação das técnicas de propaganda aos processos político e eleitoral no planejamento de campanhas.


MATERIAL COMPLEMENTAR PARA A DISCIPLINA:
Ficha de Registro de Trabalhos Acadêmicos
Briefing do Trabalho Final
Opinião Individual – Fatores de Formação
Verbete: Opinião
Comunicação em Política


PROGRAMA: 
Processos eleitorais latino-americanos
A política-sedução.
Apenas para citar alguns exemplos.
Sobre marketing e eleição
Ciência Eleitoral.
Pesquisa, pesquisa e pesquisa.
A nítida definição do público-alvo.
Como o Marketing conquistou a política e a eleição brasileiras?
Marketing e metrópole: uma circunstância básica.
Marketing e propaganda: uma confusão a evitar.
Candidato e partido: o homem e a instituição.
Marketing eleitoral e Universalidade.
Eleições e caos.
Marketing Eleitoral: um pouco de história.
Marketing Eleitoral: a administração da indiferença.
Os três estados do eleitor.
A eleição é um processo oligopolítico.
O eleitor de massa não é politizado.
O maior inimigo do Candidato é o Político.
Feliz na política, infeliz na eleição.
Eleições são as férias da política.
Perfil da eleição brasileira: urbana e populista.
Ideologia, política e eleição: três processos distintos integrados num só.
O processo político.
O processo eleitoral.
A importância relativa de cada um dos três processos
As três “Leis” fundamentais do processo eleitoral.
I. Lei da Indiferença.
Indiferença: a palavra não é forte demais?
Um exemplo clássico da indiferença.
Indiferença na Eleição brasileira: alguns exemplos típicos.
Exemplo 1. Principais problemas da população.
Exemplo 2: a abertura e o fim dos governos militares.
Exemplo 3: Constituinte e outros temas.
Exemplo 4: Anistia no Governo Figueiredo.
Exemplo 5: FHC e Jânio disputam a prefeitura de São Paulo.
Exemplo 6: nunca subestime uma anedota.
Influência provável do voto facultativo e do voto distrital.
II. “Lei” da procrastinação ou do adiamento máximo.
III. “Lei” da efemeridade.
Um exemplo típico e corriqueiro: convenções e eleições nos EEUU.
Elementos da Teoria dos Ciclos.
Conceito de Encomenda Social.
Rejeição e anti-voto: um modelo típico – Reagan x Carter.
O papel do “tertius”: Ross Perot x Os outros.
A eleição: cada vez mais é uma festa.
Como uma eleição democrática pode gerar uma ditadura.
Voto é marketing, o resto é política.
Entendendo o Planejamento?
O Candidato é a essência da Campanha.
Atividades de natureza política
Atividades de natureza mercadológica.
Os cronogramas
Organogramas
 
 
BIBLIOGRAFIA:
SERPA, Marcelo. Eleições Espetaculares: como Hugo Chavez conquistou a Venezuela. Rio de Janeiro: Contra Capa / Faperj, 2013. 208 p.
SERPA, Marcelo. PANKE, Luciana. (Orgs.). Comunicação Eleitoral: conceitos e estudos sobre as eleições presidenciais de 2010. E-book Internacional. Coleção Voto Hoje. Rio de Janeiro: Instituto CPMS Comunicação, 2011. 325 p. (ISBN 978- 85-64957008). Consultar em http://issuu.com/serpaufrj/docs/com_eleit_conceitos_e_estudos_sobre_as_elei__es_pr/1
SERPA, Marcelo. Sufrágios Espetaculares: como Hugo Chávez conquistou a Venezuela. Rio de Janeiro: ECO/UFRJ (Tese de Doutorado), 2011. 380 p.
PACHECO, Cid et.al. (org.). VOTO É MARKETING ? (II). Rio de Janeiro: Irradiação Cultural / UFRJ, 1998.
PACHECO, Cid et.al. (org.). VOTO É MARKETING ? (I). Rio de Janeiro: UFRJ, 1995.
 
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS – COMPLEMENTAR
DOMINGUES, Caio Aurélio. Elementos de propaganda. Rio de Janeiro: PN, 1959. 106 p.
GRANDE, Rodolfo. Voto é marketing, o resto é política: estratégias eleitorais competitivas. São Paulo: Loyola, 1992.
KOTLER, P. e KOTLER, N. Political Marketing: Generating Effective Candidates, Campaigns, and Causes. In: Newman, B. (Ed.). Handbook of Political Marketing. Thousand Oaks – CA: Sage, 1978.
KUNTZ, Ronald A. Marketing político: manual de campanha eleitoral. 11. ed. São Paulo : Global, 2006. 339 p. + 1 CD-ROM (4 3/4 pol.)
LAVAREDA, Antônio. Emoções ocultas e estratégias eleitorais. Rio de Janeiro: Objetiva, 2009. 311 p
LAZARSFELD, Paul F. BERELSON, Bernard. GAUDET, Hazel. The people’s choice: how the voter makes up his mind in a presidential campaign. New York: Duell, Sloan and Pearce, 1944.
LORENZ, Edward Norton. Predicabilidade: o bater de asas de uma borboleta no Brasil provoca um tornado no Texas? Boston: 139o Encontro da Associação Americana para o Progresso da Ciência, 1963 (Talk presented Dec. 29 1972, AAAS Section on Environmental Sciences, New Approaches to Global Weather: GARP.  Sheraton Park Plaza Hotel, Boston, Mass).
MANHANELLI, Carlos A. Marketing Eleitoral: o passo a passo do nascimento de um candidato. São Paulo: Geração, 2010. 141 p.
MOREIRA, Geraldo Tadeu Monteiro (Org.). Manual prático de campanha eleitoral. Rio de Janeiro : Gramma, 2004. 394 p.
PACHECO, Cid. Marketing eleitoral: a política apolítica. Comunicação & política, vol. 1, ago./nov., 1994.
SERPA, Marcelo. PANKE, Luciana (Orgs.). Comunicação Eleitoral: conceitos e estudos sobre as eleições presidenciais de 2010. Coleção Voto Hoje. Rio de Janeiro: Instituto CPMS Comunicação, 2011. 325 p. E-Book Internacional Versão 1.0 PDF
 
 
 



iCPMS Comunicação © 1993 | Av Treze de Maio, 45 Sala 1503 – Centro

20031-007 – Rio de Janeiro, RJ | ms@marceloserpa.com.br / Tel.: 98275-5555 

Increva-se

Pesquisa

Professor Marcelo Serpa
Escola de Comunicação da UFRJ
Campus Praia Vermelha
Palácio Universitário

Tel.: +55 21 98275-5555
E-Mail: marcelo.serpa@eco.ufrj.br
                        serpa.br@gmail.com

Como chegar à

© 1997-2020 Marcelo Serpa - MS Comunicação. Todos os direitos reservados

Developed by D4W